CFVV CFVV Author
Title: Quem são os responsáveis pelo rombo no SESEF?
Author: CFVV
Rating 5 of 5 Des:
Público Amigos Amigos exceto conhecidos Somente eu Personalizado Melhores amigos Amigos dos trens Ver todas as listas... FAMILIARES pr...



SAIBA QUEM TUNGOU OS FERROVIÁRIOS NO BRASIL?

Sindicalistas ligados ao deputado federal Carlos Santana (PT-RJ) são acusados de um rombo de R$ 90 milhões no Sesef (Serviço Social das Estradas de Ferro), que administra o plano de saúde Plansfer de 13 mil ferroviários aposentados. A acusação foi feita à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal pelo assessor do Sesef Osmar Rodrigues, também filiado ao PT, e de longo histórico no movimento sindical ferroviário. A informação foi publicada em reportagem do jornal "O Globo". Rodrigues fez um dossiê com a descrição de dez operações com suposto desvio de dinheiro, aprovadas entre 2003 e 2008, por ex-dirigentes indicados por Santana. O assessor afirmou: "O Sesef funcionou como braço sindical em vários Estados". Entre os acusados está Otoniel Nascimento, amigo do deputado. O Sesef pagou 50 passagens aéreas de ida e volta para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona da Central do Brasil, Valmir Lemos. Trata-se do principal aliado de Santana no meio sindical. Depois de cinco mandatos como deputado federal, Santana não se reelegeu e está cotado para assumir uma diretoria na CBTU (Cia Brasileira de Trens Urbanos). Segundo a denúncia, de 2003 a 2006, o Sesef gastou R$ 12,2 milhões em reformas de instalações, compra de mobiliário e equipamentos, e em galpões inacabados. Os galpões custaram R$ 5,086 milhões e seriam usados para acomodar cooperativas de costureiras e de reciclagem de lixo. "Eram parte de um projeto político para buscar votos, que nada tinha a ver com os objetivos do Sesef", acusa Rodrigues.

LARANJASHá suspeita de uso de empresas laranjas para desvio de dinheiro. O Sesef pagou R$ 1,01 milhão à microempresa "Me De Repente Análise, Projetos, Decorações e Participações", que tem endereço em uma comunidade pobre. O proprietário, Marcos Diniz, disse que não recebeu o valor. "Se tivesse recebido, estaria rindo à toa", afirmou.

LIQUIDAÇÃOO Plansfer deve R$ 41 milhões a hospitais, clínicas e laboratórios credenciados, e está na iminência de ser liquidado pela ANS (Agência Nacional de Saúde), em razão das dívidas. Em dezembro de 2002, ele tinha um superavit de R$ 11 milhões e uma reserva em títulos do Tesouro Nacional que foi vendida por R$ 42,7 milhões. A ANS deu 60 dias ao Sesef para encontrar uma solução para o endividamento do Plansfer. A solução seria a venda da carteira de clientes a outro plano de saúde.Mas, de acordo com o diretor-executivo do Sesef, Jorge Moura, não existem interessados, pois os associados têm idades entre 60 e 90 anos e pagam, em média, R$ 190 mensais. Para Moura, a União é responsável pelo pagamento da dívida, porque os gestores do Sesef são indicados pelo governo. Seu conselho deliberativo é formado por quatro representantes do governo, e um dos ferroviários inativos. (Folha de S. Paulo)

About Author

Advertisement

Postar um comentário

Terezinha disse... 27 de maio de 2012 19:09

Considero uma vergonha para nosso País existirem pessoas que utilizam os recursos de uma comunidade para proveito próprio e ficam sem punição.
Espero que os atuais governantes olhem com atenção a situação em que ficarão os integrantes do Plano de Saúde dos Ferroviários que estarão desprotegidos caso a ANS efetive a liquidação.

 
Top