CFVV CFVV Author
Title: Rio terá ferrovia para conectar terminais
Author: CFVV
Rating 5 of 5 Des:
31/12/2011 - O Globo Novos projetos de mineração, petróleo e carga geral devem levar o Rio a atingir a liderança no ranking dos portos m...


31/12/2011 - O Globo

Novos projetos de mineração, petróleo e carga geral devem levar o Rio a atingir a liderança no ranking dos portos mais movimentados do Brasil. Mas, para que estes terminais não fiquem sem acesso terrestre, o governo do estado, em parceria com a União e diversas empresas, vai construir uma nova ferrovia ligando os principais terminais do estado, a primeira a ser construída no Rio em décadas. O anúncio oficial, de R$ 1,650 bilhão, será feito no início deste ano.

— O Rio caminha para se consolidar como o maior complexo portuário do Brasil. Vamos, para facilitar este modal, criar um novo ramal de trens, que, junto com a recuperação de algumas linhas, vai unir os portos do Açu e Barra do Furado, no Norte do estado, o Comperj, Porto do Rio e terminais de Itaguaí — afirmou Júlio Lopes, secretário estadual de Transportes.

Ele afirmou que toda a modelagem está sendo tocada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A responsável pela obra será a estatal federal Valec e o financiamento terá apoio de empresas como Petrobras, EBX, Vale, FCA e MRS.

— O Comperj será uma realidade e a Petrobras viu que a melhor maneira de ligar o complexo a outras empresas e ao principal consumidor do Brasil, São Paulo, é por trem — disse o secretário.

Estrada de ferro terá 350 km e será operada por várias empresas

A estrada se chamará EF-354, terá 350 quilômetros de extensão e vai permitir trens de bitolas larga e estreita. Será também a primeira experiência brasileira de estrada de ferro com diversos operadores.

— Temos um estudo que aponta que, quando o Comperj ficar pronto, serão mais 300 caminhões pesados por dia em nossas estradas. Não temos capacidade de suportar isso, até porque é uma média, pode ter um dia com mais de 700 caminhões. Temos que buscar soluções.

Rio terá segunda maior base ‘offshore’ da Petrobras

Além da nova ferrovia, o estado prioriza a ampliação do Porto do Rio. Um dos principais projetos é o Porto Século 21, que vai ordenar o trânsito local, recuperar socialmente a área do entorno e ampliar a capacidade de armazenamento. Em parceria com as secretarias de Transporte e Desenvolvimento Econômico do estado, ao lado da prefeitura, Companhia Docas, Petrobras, Libra e Multiterminais, deverá ser criado ainda um centro de caminhões, no Caju.

Júlio Bueno, secretário de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços do Rio, destacou que estão sendo investidos mais de R$ 1 bilhão no Porto do Rio. Segundo ele, os recursos são fundamentais para receber embarcações maiores.

— O Porto do Rio será a segunda maior base offshore da Petrobras. Hoje, o porto opera com metade da sua capacidade — diz o secretário.

Embora não esteja entre os mais movimentados do país, o Porto do Rio é onde a carga tem maior valor agregado (US$ 1.580 a tonelada, bem acima da média nacional de US$ 483/tonelada), segundo o governo do estado.

Na área de commodities também haverá aumento de capacidade de movimentação, com os portos do grupo EBX, de Eike Batista. O Porto do Açu, no Norte Fluminense, terá em seu auge capacidade de 350 milhões de toneladas por ano, ou 41% da movimentação brasileira de 2010. E há o Porto Sudeste, especializado em minério de ferro, que terá capacidade para 50 milhões de toneladas por ano e já conta com projeto para dobrar sua movimentação.
 Um ponte antiga no Rio de Janeiro, sofrendo pelo abandono da privatização...

About Author

Advertisement

Postar um comentário

Anderson Nascimento disse... 3 de janeiro de 2012 23:31

Com 35 anos de Rio de Janeiro, duvido que tudo isso saia do papel. O dinheiro pode até sair das contas para os bolsos de alguns, mas trem sobre os trilhos no Rio de Janeiro, só vendo. Acreditem, se no resto do país existe abandono ferroviário, precisam conhecer o que sobrou no Rio, o patrimônio deste estado está abandonado, destruído, saqueado e esquecido.

Ernandes PEREIRA disse... 9 de maio de 2014 15:51

Concordo com você meu amigo.Rio e o centro de todas as ferrovias do Brasil. E o berço. Sabemos que o patrimônio ferroviário brasileiro é patrimônio nosso( Pátios de manobras, Prédios, Galpões, Ferramentas,vagões, trilhos, dormentes, locomotivas. Uma fortuna que está entregue ao abandono e ao vandalismo. O brasileiro já não se preocupava. Agora com essa copa do mundo. Aí é que não preocupará mais

 
Top